Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2013

Feliz Ano Novo - Marcas do que se foi ( Um Feliz 2014)

Soneto da Despedida ( Castelo Hanssen )

Imagem
Soneto da Despedida

De tudo nesta vida, eu desatento,
e sentindo chegar o fim da linha,
parodiando o grande poetinha,
quero me despedir sem um lamento.

Eu, que passei em vão cada momento,
Desperdiçando riso. Dor e pranto,
Sorrindo aberto e soluçando ao canto
Deixo somente meu contentamento

Por todos os momentos que já tive,
Ingredientes doces da poesia,
Quero saudar na minha despedida

A alegoria que se chama vida,
A vida que gastei quanto podia
E a morte, destino de quem vive.

Castelo Hanssen

Complicado ( Castelo Hanssen )

Imagem
Complicado ( Castelo Hanssen )

Eu também fico assim de vez em quando,
Quero fugir, mas eu não sei de quem,
Quero partir, quero pegar o trem,
Quero ficar em casa, só esperando

Quero voar, quero ganhar altura,
Quero ficar em um canto, escondido,
Se penso que me encontrei estou perdido,
Fico invisível se alguém me procura.

Não sei se sou adulto ou sou menino,
Não sei se sou maluco ou sou pateta,
Não sei se sou bondoso ou sou ruim

Não sei qual é no mundo o meu destino,
Não sei se sou assim por ser poeta,
Ou se poeta sou por ser assim.

Aristides Castelo Hanssen (São Paulo, 3 de setembro de 1941) é um jornalista brasileiro.

É fundador do Colégio Brasileiro de Poetas de Mauá, do grupo Literário Letraviva de Guarulhos e da Academia Guarulhense de Letras. É presidente honorário da Sociedade Guarulhense de Cultura Artística.

Iniciou a carreira escrevendo crônicas para os semanários A Ação e Tribuna Popular de Santo André. Iniciou o trabalho profissional como repórter na Folha Metropolitana (Sa…

Rio Acima - Castelo Hanssen

Imagem
Rio acima ( Castelo Hanssen )

Navegando rio acima
Num barquinho de papel,
numa aventura cruel
Cuja loucura me anima,
Eu vou atrás de uma rima
Que rime com tudo, enfim,
Que existe dentro de mim
E nunca será olvidado,
Eu vou atrás do passado,
Da nascente de onde eu vim.

Como um novo bandeirante,
De costas para o oceano,
Eu vou seguindo o meu plano,
Meu viver itinerante.
E nesse buscar constante,
hei de ser um curumim,
um molequinho levado
que hei de encontrar no passado,
na nascente de onde eu vim.

Cansado da modernagem,
Quero voltar às origens
Para fugir da vertigem,
Para fugir da miragem.
E nessa louca viagem
Eu quero fugir, assim,
De um presente tão ruim,
De tanto sonho frustrado.
Quero voltar ao passado,
À nascente de onde eu vim

Nessa viagem de volta
Quero rever a paisagem
Que vi na outra passagem.
Paisagens talvez já mortas,
Escritas por linhas tortas
Num rascunho de nanquim.
Começando pelo fim
No meu errar acertado,
Eu vou atrás do passado,
da nascente de onde eu vim.

Nas margen…